Artigos

06/09/2017 12:23

Reflexão acerca da sustentabilidade

Desenvolvimento sustentável está na moda, mas a sustentabilidade é remota. A prosperidade social empobrece o planeta. Aparentemente, a crise de insustentabilidade não cabe na agenda de grande parte dos políticos, por isso identifiquei-me com a bandeira verde, que tem em seu aspecto programático a luta pelo desenvolvimento sustentável e a diminuição da desigualdade social.

Comecei minha carreira política ainda muito jovem aos vinte seis anos, com a cabeça cheia de ideias e varias formulas para transformar a realidade. Hoje aos quarenta e sete anos sinto a necessidade de lutar não apenas por uma proposta políticas, mas por uma opção de vida que possa repassar à minha família, amigos, alunos e conseguintemente aos meus eleitores. Subdividi esses conceitos em quatro pilares ou legados que pretendo trabalhar.

O primeiro pilar embasa-se no pressuposto da sabedoria popular “um homem só tem uma vida completa quando planta uma árvore, escreve um livro e tem um filho”, algo ecoou de forma conflitante e impulsionou-me ao PlantAR.

Dando início ao projeto de arborização urbana “Movimento PlantAR”, que visa reavivar na capital mato-grossense o título de Cidade Verde. Esse projeto tem em sua característica a ideia de preservação do meio ambiente e pretende chamar atenção do poder público para as necessidades estruturais e sociais de cada região por onde passa.

A quarta edição, que aconteceu no bairro Vista da Chapada, IV etapa do Pedra 90, região sul de Cuiabá,  me chamou a atenção. Pois já vislumbramos resultados positivos na população, diante do aprendizado coletivo: meninos jogando o lixo biodegradável no contêiner, jovens apadrinhando mudas durante a ação, para que haja um cuidado permanente das árvores e reivindicação contra a ausência de água por parte da comunidade. E o melhor de tudo foi observar os frutos da ação do PlantAR, crianças assimilando a importância do reflorestamento e a comunidade com água na torneira.

O segundo pilar é a coleta de lixo seletiva. Em média enterramos 600 toneladas de lixo diariamente na capital (dados da Secretaria Municipal de Serviços Urbanos de Cuiabá), caso existisse a coleta seletiva, esse volume seria reduzido em quase 50%. A coleta seletiva é uma forma geradora de emprego para o município e pode colaborar diretamente para manutenção do meio que vivemos.

A rede de esgoto, o terceiro pilar, é um dos principais problemas ambientais da atualidade conjuntamente com poluição dos rios. Enquanto alguns países da Europa desenvolveram planos eficientes de despoluição, o Brasil continua com uma grande quantidade de rios poluídos, e em nossa capital não é diferente.

A Resolução do Conama 357 (Conselho Nacional do Meio Ambiente) diz que os efluentes de qualquer fonte poluidora somente poderão ser lançados, direta ou indiretamente, nos corpos de água, após o devido tratamento.

Cuiabá trata 28% do esgoto e lança o restante in natura no rio Cuiabá. Nosso rio e nossos peixes pedem socorro, não podemos esperar 10 anos, como propôs a CAB Ambiental Cuiabá. Neste contrato frouxo, firmado com a concessionária responsável pelo tratamento de esgoto, nossos filhos não terão a oportunidade de desfrutar das águas que compõem grande parte de nossa cultura e história, e neste prazo o rio Cuiabá poderá se tornar um esgoto a céu aberto.

O quarto ponto é a luta pela implantação de ciclovias como alternativa de modal de transporte; cidades européias vem há muito tempo adotando a bicicleta como meio de transporte, que efetivamente faz parte da vida das pessoas em seu cotidiano. Os exemplos são vários. Na América do Sul temos a experiência de Bogotá e no Brasil, cidades como Pomerode – SC.

Os beneficio para pratica do ciclismo são vários como: ajuda no combate aos males como a obesidade e a pressão alta (hipertensão); diminuir a emissão de gases poluentes no ar entre outros.

Hoje observamos o uso de bicicletas, em especial pelos moradores da Região Sul, que abrange o Bairro Pedra 90, como forma de meio principal de transporte, por isso aponto como primordial o investimento em ciclovias.

Tivemos neste semestre a confirmação do secretário da Secopa, Mauricio Guimarães, a um dos pedidos direcionados neste sentido que é a construção da ciclovia na Avenida Arquimedes Pereira Lima, a qual foi incluso no projeto de obras da Copa.

 A malha cicloviária a ser implantada deve também contemplar as avenidas Miguel Sutil, avenida das Torres, Beira Rio, Fernando Correa da Costa, Historiador Rubens de Mendonça, Getúlio Vargas, Isaac Póvoas e Tenente Coronel Duarte (Prainha).

Entendendo que o meio ambiente já não pode esperar, devemos ir em busca de ações eficazes e visíveis. O ato de arborização, coleta seletiva do lixo, melhorias na rede de esgotamento para preservar o nosso rio e o investimento em ciclovias como modal de transporte; são quatro pilares que apontam ações possíveis e que contribuem de forma direta na redução do impacto ambiental. A melhor forma para se comemorar o dia mundial do meio ambiente é discutindo metas para melhorar a qualidade de vida. Refletindo hoje na preservação do meio ambiente e no bem estar social.

Nesta semana, em comemoração ao Dia Mundial do Meio Ambiente (05/06), estará acontecendo na Câmara Municipal de Cuiabá a primeira SustentArt–Arte, Educação Ambiental e Sustentabilidade, das 08:00  às 18:00 h, nos dias 04 a 07 de junho ,  na Praça Pascoal Moreira Cabral. Informações (65) 3617-1554.

Mário Nadaf é cuiabano, historiador, professor no Colégio São Gonçalo, professor do Cuiabá Vest( Cursinho Pré-Vestibular), advogado e vereador de Cuiabá pelo PV.


Crie seu novo site AgenSite
versão Normal Versão Normal Painel Administrativo Painel Administrativo